Quem foi
Elizabeth Kindelmann?

Elizabeth Kindelmann
(1913-1985)
1
4
3

Esposa, mãe, mística e fundadora do Movimento Mariano Chama de Amor. 

Elizabeth Kindelmann era uma mística húngara nascida em Budapeste em 1913, que viveu uma vida de pobreza e dificuldades. Ela era a filha mais velha e a única ao lado de seus seis pares de irmãos. Aos cinco anos, seu pai morreu e, aos dez, Elizabeth foi enviada para Willisau, na Suíça, para viver com uma família abastada. Ela voltou a Budapeste temporariamente aos onze anos para ficar e cuidar de sua mãe que estava gravemente doente e confinada à cama. Um mês depois, Elizabeth estava programada para embarcar em um trem da Áustria às 10:00 da manhã, a fim de retornar à família suíça que decidiu adotá-la. Ela estava sozinha e erroneamente chegou à estação às 10 horas. Um jovem casal a levou de volta a Budapeste, onde passou o resto de sua vida até morrer em 1985.
Vivendo como órfã à beira da fome, Elizabeth trabalhou duro para sobreviver. Por duas vezes, ela tentou entrar em congregações religiosas, mas foi rejeitada. Um ponto de virada ocorreu em agosto de 1929, quando ela foi aceita no coral da paróquia e lá conheceu Karoly Kindlemann, instrutor de limpeza de chaminés. Eles se casaram em 25 de maio de 1930, quando ela tinha dezesseis anos e ele trinta. Juntos, eles tiveram seis filhos e, após dezesseis anos de casamento, seu marido morreu.

Por muitos anos, Elizabeth lutou para cuidar de si mesma e de sua família. Em 1948, a Nacionalização Comunista da Hungria era um mestre severo, e ela foi demitida de seu primeiro emprego por ter uma Imagem  da Mãe Santíssima em sua casa. Sempre uma trabalhadora diligente, Elizabeth nunca teve boa sorte em sua longa série de empregos de curta duração, pois lutava para alimentar sua família. Eventualmente, todos os seus filhos se casaram e, com o tempo, voltaram a morar com ela, trazendo seus filhos com eles.

A profunda vida de oração de Elizabeth a levou a se tornar uma Carmelita leiga e, em 1958, aos 13 anos, ela entrou em um período de três anos de escuridão espiritual. Naquela época, ela também começou a ter conversas íntimas com o Senhor através de locuções internas, seguidas de conversas com a Virgem Maria e seu anjo da guarda. Em Julho de 1960 Elizabeth iniciou um diário a pedido do Senhor. Dois anos depois desse processo, ela escreveu:

Antes de receber mensagens de Jesus e da Virgem Maria, recebi a seguinte inspiração: 'Você deve ser altruísta, pois lhe confiaremos uma grande missão e você estará pronto para a tarefa. No entanto, isso só é possível se você permanecer totalmente desinteressada, renunciando a si mesmo. Essa missão pode ser concedida a você somente se você também a quiser por seu livre arbítrio.

A resposta de Elizabeth foi "Sim", e através dela, Jesus e Maria começaram um movimento da Igreja com um novo nome dado ao imenso e eterno amor que Maria tem por todos os seus filhos: "A Chama do Amor".

Através do que se tornou O Diário Espiritual, Jesus e Maria ensinaram Elizabeth e continuam a instruir os fiéis na arte divina do sofrimento pela salvação das almas. As tarefas são designadas para cada dia da semana, que envolvem oração, jejum e vigília noturna, com belas promessas a eles associadas, com graças especiais aos sacerdotes e às almas do purgatório. Em suas mensagens, Jesus e Maria dizem que A Chama do Amor do Imaculado Coração de Maria é a maior graça dada à humanidade desde a Encarnação. E em um futuro não tão distante, sua chama incendiará  o mundo inteiro.

O cardeal Péter Erdő, de Esztergom-Budapeste, primaz da Hungria, estabeleceu uma comissão para estudar O Diário Espiritual e os vários reconhecimentos que os bispos locais ao redor do mundo haviam dado ao movimento A Chama do Amor, a Sra. Rosalia e o Sr. Guilherme foram os responsáveis no Brasil e no mundo pela organização do Movimento da Chama de Amor. Foram eles os primeiros coordenadores internacionais onde puderam espalhar esse tão belo tesouro por tantos países em todo o mundo e então caminharem para serem   uma associação privada dos fiéis.

 

Em 2009, o cardeal não apenas deu o Imprimatur para O Diário Espiritual, mas reconheceu as locuções e os escritos místicos de Elizabeth como autênticos, um "presente para a Igreja". Além disso, ele aprovou episcopalmente o movimento Chama do Amor, que opera formalmente na Igreja há mais de vinte anos. Atualmente, o movimento está buscando mais aprovação como Associação Pública dos Fiéis.

Elizabeth Kindelmann